Arquivo | Washington D.C RSS for this section

Roteiro Básico (Bacanérrimo) de D.C.


Fiz esse roteiro de DC há algum tempo e não sei porque não postei no blog. Ele está super completo e a maioria das atrações não mudará nada em alguns anos. Acho que dá para aproveitar bastante a cidade:

Aeroporto: Dulles International Airport (Aeroporto Internacional Dulles), a 40 km do centro, Dulles é localizado no Condado de Loudon, Virgínia. O aeroporto é usado, principalmente, para vôos internacionais. Táxis, ônibus fretados e ônibus normais estão disponíveis para levá-lo de Dulles até seu destino.

PRINCIPAIS ATRAÇÕES TURÍSTICAS:

 

National Mall

O National Mall é a principal praça da América e concentra quase todos os “must see” (ou atrações turísicas obrigatórias da cidade)

Sugestão de passeio: Comecem no  Capitólio e vá andando até o Lincoln Memorial: você vai passar por todos os museus da Instituição Smithsonian (pode escolher um para visitar, abaixo seguem sugestões), pelo Washington Monument, e andar até o Memorial da II Guerra, e depois seguir o Espelho d’água até o Lincoln Memoral. Do lado direito do Lincoln Memorial há o Memorial da Guerra da Coréia e do lado esquerdo, o Memorial dos Veteranos da Guerra  do Vietnam (muito emocionante).

Memorial da Guerra da Coréia

Lincoln Memorial

Um pouco mais afastado, mas ainda pertencente ao Mall, as margens da Tidal Basin (pequena represa), há o Jefferson Memorial e ali ao lado o Museu do Holocausto (esse muito interessante também)

Pronto, agora só resta Casa Branca e acabaram-se os “must see” de Washington D.C.

Se ainda tiverem pique, caminhem até a Casa Branca, que só dá para ver de fora, de longe.

Segue anexo o mapa da National Mall.

Smithisonian Museums: Highlights

História Natural: para ver zilhões de dinossauros (legal, mas vá direto a eles) e o quarto diamante mais valioso do mundo, o diamante Hope; na seção das Gemas. Se gostar, estenda até a seção dos meteoritos e das pedras trazidas da lua, que são bem interessantes e também ficam na National Gem and Mineral Collection.

Localização do museu: na esquina da 10th Street and Constitution Ave.

Museu de História Natural

Freer e Sackler Galeries: Galerias menores com foco principal na arte asiática/oriental, com belíssimas peças, conectadas pelo subterrâneo.

The Sackler Gallery : 1050 Independence Avenue, SW.

The Freer Gallery of Art : Jefferson Drive at 12th Street, SW

National Galery: A rigor, não faz parte dos Museus Smithisonianos, mas a admissão também é gratuita. É composta por dois edifícios (leste e oeste), mas o acervo mais importante fica no prédio oeste. O outro é apenas um anexo, de suporte. As coleções principais são de arte americana e européia, e eu os aconselho a darem uma olhada no site para irem focados na obras/seção de interesse.

O ponto alto, no entanto é o Sculpture Garden:

Fica no National Mall, entre as 3rd and 7th Streets, na  Constitution Avenue NW. Aberta de segunda a sexta, das 10:00 as 17:00h e domingos das 11:00 as 18:00h.

ATRAÇÕES FORA DO NATIONAL MALL:

1) Adam’s Morgan: é bairro moderno e multi-racial, cheio de boutiques, clubes, bares e restaurantes, além de  vários murais coloridos durante pelas ruas . O coração do bairro fica no cruzamento da 18th Street e Columbia Road. Outros pontos de interesse incluem o Centro de Artes do Distrito de Columbia e uma feira ao ar livre que acontece aos sábados.

2) South West/ Waterfront: onde fica um lindo mercado de peixes (The Fish Whar) e vários restaurantes que servem  frutos do mar de frente para para Rio

3) UnionStation, uma linda estação de trem, nos moldes da Grand Terminal Station de NY, onde existem restaurantes e lojas bacanas.

4)  Dupont Circle: Esse é um parque muito agradável e a vizinhança é de mansões antigas hoje transformadas nas diversas embaixadas dos países. Nessa região há a maior concentração de Galerias de Arte Independentes da cidade, incluindo a famosíssima The Phillips Collection, uma coleção particular de obras importantes, focadas nos mestres impressionistas franceses (Degas, Cézanne, Gauguin, van Gogh, Bonnard, Matisse) e na arte moderna americana.

5) Georgetown: um bairro bem legal, próximo do centro de Washington, alegre e vivo, onde fica a tradicional University of Georgetown (que vale a visita) além de ser um polo bastante interessante para compras.  O local mais indicado para compras de rua é na Winconsin Ave entre as Ruas M e P (M,N,O,P,Q). Lá você também encontra o Shopping de GeorgeTown, o The Shops at Georgetown Park, na 3222 M Street, NW.

SUGESTÕE DE RESTAURANTES:

1) Ásia Nine em DC

2) Jaleo em Downtown D.C.

3) CheaseCake Factory: a comida é deliciosa e o chease cake de chocolate Godiva é de largar a família.

4) Caso queiram um restaurante mais elegante, podem seguir os passos do Obama e jantar no Equinox: 818 Connecticut Ave N.W

Para reservas: Open Table ou pelo tel: 202-331-8118

5) Ideal para happy hour: o wine bar Proof.  

775 G Street, NW Washington, DC (fica bem perto do Museu de História Americana)

6) Sequoia: elegante restaurante em Georgetown com vista para o Kennedy Center for Performance Arts, que é um centro cultural onde se pode assistir espetáculos, balés e óperas.

COMPRAS:

1) Georgetown e The Shops at Georgetown Park, conforme descrito acima

2) Macy’s Downtown que fica na estação metro Center, endereço: 1201 G.Street

3)Shopping The Fashion Center of Pentagon City

Um pouco distante do centro, mas  conectado pelo metro

Caso queiram fazer um tour guiado, seguem duas opções:

De dia, duração de 6h

De noite, duração de 3h

 

Anúncios

Indo para D.C.


 
Esse blog vai passar por Washington, Philadelphia e Boston, embora eu mesma só tenha olhos para a grande maçã, me obrigo a estudar a fundo as demais cidades para aproveitá-las um pouco melhor. Esse post será dedicado aos meus amigos virtuais que me auxiliaram nesse processo de preparação para a viagem.

Foto: Arnaldo Interata

Começo o post com uma frase de Abrahan Lincoln que eu peguei emprestada no excelente blog fotográfico do Arnaldo Interata, o Fatos e Fotos, do qual também emprestei a foto do post: “”Que Deus me dê a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as que posso e sabedoria para distinguir umas e outras“.
O Arnaldo, que além de blogueiro é um super fotógrafo de “mão cheia” escreveu  vários posts recheados de fotos maravilhosas e riquíssimos em informações bacanas sobre a cidade, começando com este aqui.
Lá tem várias dicas bacanas: como funcionam os táxis (as tarifas são baseadas nas zonas de circulação, não no tempo e os preços são “fixos” por zona percorrida. Em resumo, as corridas saem entre US$ 6 a 13). Descobri lá também que o passeio de trolley tour  é bem bacana porque vc pode dar uma boa geral da cidade antes de escolher onde pretende se aprofundar;  que a maioria das atrações são gratuitas; e que há mapas e quiosques de informações aos montes e super disponíveis. Ele define a cidade como “tourist friendly”.

E tem mais:

A Pati Figueiredo que eu conheci pelo Twitter, me mandou chegou a pouco de Washington e me mandou um super e-mail bacana:

Estive nos EUA com minha mãe e minha irmã ano passado e passamos 4 noites em Washington. Visitamos também NYC e Orlando mas Washington foi com certeza a maior surpresa.

 

A cidade estava vazia, talvez pela proximidade do inverno e aproveitamos os dois dias que curtimos lá. A primeira dica, que aposto que você já deve ter ouvida, é usar e abusar do metrô que é super abrangente e muito mais limpo e simples que o de NYC. A passagem é  paga de acordo com o trecho que você vai percorrer e você compra os bilhetes numa máquina que só aceita cartão de crédito ou dinheiro trocado, então, be prepared! Li que você vai de carro mas eu não recomendaria usar ele na cidade não. É super difícil de estacionar perto das atrações e o parquímetro é complicado até pra minha tia que mora lá!

 

A maioria das atrações se concentra ao redor no National Mall mesmo, então se você tem pouco tempo na cidade acredito que seja o melhor lugar para ficar mesmo. Tem alguns B&B super charmosos em Dupont Circle mas eles são um pouco fora de mão e implicantes com quartos com mais de 3 pessoas, por isso acabamos ficando em um hotel da rede Holiday Inn logo ao lado do Capitolio. A localização era ótima, o hotel em si  é executivo e correto mas não tem nada de muito especial. Fomos a pé (mesmo naquele frio) até a estação Federal Center  ou até a Capitol South, já que o hotel ficava bem entre essas duas. Fomos a pé até o Capitólio e foi bem tranquilo, é realmente super próximo e o caminho, bem bonito, com o jardim botânico no meio do caminho.

Outra coisa que nós curtimos muito foram os museus, que são em sua maior parte gratuitos e pertencem á rede Smithsonian. Visitamos o Sculpture Garden que tem esculturas bem legais e durante o inverno uma pista de patinação bem bonita no centro. Fica ali no National Mall também, bem perto do Natural Museum of Natural History, outro ótimo. As crianças sempre adoram aqueles dinossauros enormes e toda a setorização do museu é muito legal. Ali do lado tem também o Air and Space Museum que é, na minha opinião, o mais legal. Dá pra perder um bom tempo por lá e de quebra tem uma lojinha super interessante com ursinhos astronautas e globos de neve que servem muito bem de lembrancinha. O único museu pago que visitamos foi o Madame Tussauds, que estava com uma promoção de 50% de desconto na entrada. Estava absolutamente VAZIO, éramos praticamente as únicas pessoas dentro do museu naquela tarde. Foi divertido mas com certeza não chega aos pés dos grandes museus da Smithsonian.

 

Outro lugar legal e característico de visitar é a Union Station, a estação central do metrô. Além de ter uma arquitetura lindíssima, é enorme e parece mais com um shopping, com lojas da Victoria’s Secret e chocolates Godiva. Mesmo com esse lado meio comercial, é um lugar bem interessante sim, e valeu a pena só pelas bugigangas com o rosto estampado do Obama. Vimos desde camisetas até barras de chocolate! Ah, outro ponto extremamente turístico e ‘must see’ é a Casa Branca, claro. Admito que ela não foi o que mais nos surpreendeu. Ao vivo ela não é tão grande e imponente quanto parece e não se pode chegar muito perto”
 

Bem bacana o relato dela, não acharam. Bem resumido e focado no que parece importante da cidade. Acho que vou convidá-la para escrever no blog, hahaha.

E, at least, but not last, a minha amiga Natalie acabou de voltar de um roteiro bem parecido com o meu para a Costa Leste dos EUA e me manda o seu roteiro e várias dicas bacanas de Washington. Tive que selecionar as melhores para postar aqui:

” Ouvimos o conselho da Marcie e fizemos todos os passeios por Washington usando o sistema de metro da cidade. Nós deixamos o carro no estacionamento da estação de metro de College Park (5 dólares por dia + 5 dólares para comprar o cartão) e todo dia comprávamos o passa diário ilimitado do metro ($7.40 ou 7.80 não me lembro ao certo). (Mas ele tem uma pegadinha: só é aceito depois das 09.30 da manhã) Se você tem algo programado muito cedo, precisa comprar um passe único do metro. As máquinas de venda de bilhetes são auto-explicativas, assim como todo o sistema de metro de Washington. Super simples de usar, poucas linhas e muito bem sinalizado”


 ” CAPITÓLIO: Dá para agendar sua visita através do site. Esse passeio é super interessante, você conhece um pouco mais sobre a história dos EUA e um pouco mais sobre sua organização política. Se você se dirigir ao balcão de informações, logo depois de passar pelo sistema de segurança, (aliás, isso é uma das coisas que você mais vai fazer, mas faz parte do pacote “viagem pelos EUA”. Com o tempo a gente até se acostuma) e falar que é brasileira e que gostaria de visitar a galeria do congresso, eles te dão um ticket que libera a sua visita. Assim, você consegue entrar na sala onde muitos projetos são votados. Conseguimos tudo de graça”.

 

Washington National Cathedral: a catedral é maravilhosa, inspirada no estilo das igrejas europeias. Nela foi realizada a missa de posse do Obama, entre outros eventos políticos-religiosos. O metro fica um pouco longe da igreja. É preciso andar um pouco até ela. Esse foi o ponto turístico mais distante que visitamos. Tem um estacionamento próximo, mas não sei se ele é pago.”

 

“Museu do Crime: pagamos por volta de $18 por pessoa para visitar esse museu. Ele é dispensável, meio bobinho. Não é tão interativo e divertido como as revistas de turismo divulgaram aqui no Brasil. Se pudesse, aproveitaria outros museus ou passaria a tarde num café vendo a vida passar”

 

“National Gallery of Art e Museus Smithsonianos: Adorei o Nacional Gallery of Art: vários clássicos que nós estudamos nos cursos de história da arte estão lá. O Space Museum é legal e bem interativo, mas tem muitas reproduções de peças ao invés de ter as peças originais. E o Museu de História Natural foi uma boa surpresa. Ele é enorme e tem várias salas bacanas, sem falar nos dinossauros e nas salas das pedras preciosas. Dá pra se perder facilmente lá dentro. Selecione os temas que mais te chamam a atenção na hora de escolher qual museu visitar.”

 

Obrigada a todos, prometo conferir e blogar as minhas impressões sobre todos esses lugares. Com certeza essas dicas serão muito preciosas. Quem tiver mais dicas de Washington para mim, é só deixar na caixa de comentários.  

EUA – Os hotéis da viagem


 

Eu tenho entrado direito no melhor site para descolar barbadas no EUA, chamado  TRAVELZOO para quem não conhece; e descolei a semana passada uma promoção relâmpago para o The Liaison Capitol Hill, (um hotel do grupo Affinia) por (pasme) US$ 99,00 a diária. O hotel fica próximo ao Capitólio e parece lindinho, com a garantia do padrão Affinia (hotéis confortáveis e elegantes). Claro que esse preço é para pagamento adiantado e sem possibilidade de cancelamento, mas vale a pena ainda assim.

E, na Filadélfia, onde a maioria dos hotéis é do tipo hotel-enorme-imenso-para-conferências, nos redemos ao Sofitel, que pelo menos é garantia de uma cama (bem) macia e de quarto confortável, além de (parecer) ter uma boa localização. E conseguimos através do Kayak, outro excelente site de procura de hotéis nos EUA. Achamos um bom preço (US$140,00).

E agora só falta o hotel de Boston, que tem sido um problemão: caros, caros e caros…sem promoções e a maioria sem charme. Os melhores são assustadoramente caros, e eu não sei exatamente qual a melhor localização para me hospedar: perto do Porto ou perto do Common Park (no início da Freedom Trail).

Se alguém puder ajudar, por favor, ficarei imensamente grata.

Summer in the City


 
Foto: http://www.yloveny.com


Eu venho de uma família de malucos mesmo, e não poderia ser diferente, não é mesmo? Bom, faz mais ou menos um mês que eu não consigo lidar mais com uma inquietude que me consome:  preciso muito viajar! Ou seja, eu assumidamente sou uma “traveler addicted”! E quase todos os dias sou bombardeadas de notícias virtuais de como NYC (e todos os USA) estão com preços baixos. E somado a isso, existe uma grande falha no meu Curriculum obrigatório de Viajante: eu não conheço a Big Apple. Tudo bem, muita gente não conhece, mas porque será que me olham espantados cada vez que eu menciono esse fato?

E comentando isso numa reunião de família, que eu teria férias no final de julho/começo de agosto, e estava com vontade de ir a NY, meu pai se prontificou a ir comigo, do nada. Delícia! Maridão ficou meio assim, muito trabalho, muitos gastos, a bebê ,etc., etc….bom, resumindo tudo, juntando milhas daqui e dali conseguimos nada mais do que 4 PASSAGENS IDA E VOLTA para NY. Em dias e companhias diferentes, mas o que importa?  E aproveitando, vamos fazer um passeio de carro pela Costa Leste: Washington, Filadélfia e Boston. Nada mal.

Ah, e a bebê vai ficar com a avó: se alguém torceu o nariz para isso, realmente não estou mais me importando, pois já recebi inúmeras críticas veladas (ou nem tanto) sobre isso. Agora,  o que é mais “judiação”: levar um bebê de 1,5 anos numa jornada dessas ou deixá-la no aconchego do lar com a avó querida, que a protege e enche de mimos? Com a rotininha de sono e refeições organizadas, saindo para brincar no sol todos os dias, ela certamente ficará feliz  e a pessoa que mais sofrerei serei eu, de saudades. Mas, quando eu voltar, ela terá uma mamãe ainda mais feliz e menos estressada. E eu sei a boa mãe que sou, não preciso da aprovação de ninguém (desculpem o desabafo).

Bom, voltando a NYC…

Peguei meu Moleskine vermelho novinho, para já entrar no clima e já rascunhei um roteiro:

Primeiros 4 dias inteiros em NY.

5. dia, saindo cedo de NY, de carro, em direção a Filadélfia, onde dormiremos

6. dia, saindo de Filadélfia em direção a Washington DC, bem cedo.

7. dia Washington Dc

8. dia vôo low-fare para Boston, logo cedo.

8. e 9. dias Boston

10. dia: saída bem cedo para NY de trem

10 e 11. dia NY

12. vôo para SP bem cedo.

E aproveitei as barganhas da internet para já fazer algumas reservas em NY:

  1. Nas 4 primeiras noites, dormiremos no Hotel On The Ave, no Upper West Side, bem próximos ao Central Park.  Conseguimos diárias a US$ 149,00 (+ taxas) , o que eu achei excelente.


  1. Nas duas últimas noites, dormiremos no Hotel The Empire, também no Upper West Side, por US$ 160,50 (taxas inclusas), o que para NY é bem barato.

    Bom,  isso foi só o começo:  ainda falta os hotéis nas outras cidades, os deslocamentos, o aluguel do carro, as passagens de avião e trem, os ingressos da Broadway, os desejos de compras, e muito mais. Vocês acompanham aqui a programação dessa viagem , com muitas dicas pré e pés viagem.

    Fotos dos hotéis: divulgação